16/09/2015

Resenha de Parágrafo #11: O gerente está maluco II

Curta nossa fan page!



De novo, mais uma edição daquela ideia desmiolada que tive de juntar três pessoas para falar da mesma HQ (isso aconteceu pela 1ª vez na Resenha de Parágrafo #6). Desta vez chamei dois amigos criadores de quadrinhos para dar suas impressões sobre a nova HQ da chutadora de bunda e cantora Canário Negro: Fabiomesmo, roteirista e letristas de Maye (<3) e José Amorim, o carinha que criou o Cover e eu meti a língua na primeira resenha de Parágrafo. Então vamos lá todos com as mãos para alto para fazer a genkidama para ler estas preciosidades:


Black Canary #1
Publicado por DC Comics
História por: Brenden Fletcher
Arte por: Annie Wu
Cores por: Lee Loughridge

Nota: 3 MIs numa escala de 7 notas musicais 
Ideal para: uma viagem curta (se você não for o motorista, claro)
Dinah tem uma nova vida... ou uma vida intermediária até que tenha dinheiro para recomeçar efetivamente. Ela "deixou" a vida de vigilante para ser cantora em uma banda chamada Canário Negro (ótima jogada levando em conta o seu dom, péssima idéia foi o nome da banda se ela parece estar querendo se distanciar do passado). Como cantora, Dinah continua uma excelente lutadora e parece não ser a única pessoa com dons especiais na banda! A revista tem uma premissa original/inusitada, soluções visuais inteligentes, estilo, um bom estabelecimento das bases para este novo arco/pegada, alguns mistérios e ainda assim não me empolguei... a culpa em parte é a situação da personagem desde o reboot do universo DC. De qualquer forma, faltou empolgação (talvez minha mesmo) e ainda que eu não entenda muito dos bastidores do mundo musical, a caracterização da banda me parece apenas superficial.


Nota: 5 canários na gaiola numa escala de 10
Ideal para: Para a nova geração de leitores descompromissados
Só de olhar para essa revista minhas narinas se retorciam. Canário negro para mim nunca cheirou e nem fedeu, é uma personagem que às vezes é bacana e outras não, porém mesmo com as narinas torcidas fui forçado a ler essa bela história que acabou dando um novo status para a personagem. O que defino por uma bela história é como ela começa e termina, se me fizer ficar curioso no começo para encarar o meio chato, e no fim me fazer voltar a ter aquele gostinho de quero mais, pode se dizer que é uma bela história, mas é apenas isso.





Nota: 5 cordas de uma guitarra numa escala de 6
Ideal para: Rockeiros, rockistas e pessoas que amam mulheres fortes.
Quem teve a ideia de colocar a Canário Negro numa banda de rock, por favor que se apresente pois que doidera maravilhosa é esta. Não dá para negar que parece um pouco forçado colocar Dinah Drake (sim, não é a Lance) como vocalista, porém a apresentação para isso acontecesse é bem clara: Cê está falida depois do que a Barbara Gordon fez, e uma gravadora vai te dar dinheiro para sair em turnê em troca de seus belíssimos dons vocais. Como não topar cara? Eu estava correndo. Para quem quebra parede com a voz cantar uns rocks não é nada demais. Aliás, a personagem continua sendo aquela que chuta bundas e amamos, mas com uma estética tão punk e visualmente bonita, que se alguém vier acusar que alterou o cânone vai ser ver comigo. A Canário está lá e só resta a mim torcer, como dizem no mundo dos shows: Que sua revista vá para as cabeças! 


E ficamos assim. Achou que muita merda foi falada aqui? Conhece Maye do Fabiomesmo? Não? O que cê está fazendo neste mundo que não viu? E o Cover do Zé? Tenho certeza que já ouviu falar? Também não? Pra ajudar vocês vou links ai em baixo. Façam favor de clicar. Até semana que vem.


Wendrick Ribeiro é estudante de publicidade, roteirista amador, trouxa barra otário, nerd old school, adorador de Deadpool e respira quando tem tempo.
Veja as Resenhas de Parágrafo anteriores clicando aqui: #ResenhaDeParágrafo!