Resenha de Parágrafo #10.1: Especial #ComicCONRS (Parte-2)

Curta nossa fan page!



Esse post deveria ser publicado na última quarta-feira, mas não foi possível (problemas oftalmológicos que estão sendo superados).
Vamos tirar o atraso então? Vamos falar de mais alguns quadrinhos adquiridos na Comic CON RS

Se não leu a Resenha de Parágrafo #10 leia AQUI antes de continuar.



GNUT
Publicação independente
Nota: 10 onomatopeias em uma escala de 10
História e arte de: Paulo Crumbim 
Ideal para: todos que curtem cantar junto “Born to be wild”!
Com o personagem principal bradando “Born to be wild!” é assim que começa Gnut, que só terá onomatopeias dali para frente. A sensação que eu tive durante a apreciação (não leitura propriamente dita, pois a HQ é uma, das tantas, “mudas” que pipocam nesse mundo dos quadrinhos independentes) é que eu estava tendo um daqueles sonhos agitados durante a madrugada que te fazem rolar na cama. Ação e diversão em uma HQ quase tão surrealista quanto uma pintura de Dali. Ao terminar a leitura, parece que acabei de acordar do tal sonho e que perdi alguma das lembranças sobre ele, o lado bom é que este sonho, agitado e divertido, está ali, impresso e eu posso sonhá-lo em 62 páginas, sempre que eu quiser.
PS: O livro que deu origem a esta resenha teve origem em um webcomics e um projeto no catarse, pra conhecer mais visite: gnutcomics.com e divirta-se


NECROMORFUS
Publicado por: RQT Comics
Nota: 9 transformações bem sucedidas em uma escala de 10
História: Gabriel Arrais
Arte: Magenta King 
Ideal para: quem curte Image Comics.
Quando digo que é ideal para quem curte Image Comics, me refiro a quadrinhos autorais com um plot interessante e que tenha aquele “quê” de massa véio, e que merece uma periodicidade mensal. Eu vou te contar um pouco da ideia desta HQ e você vai querer lê-la certamente: Douglas é um garoto de 16 anos que pode se transformar em qualquer pessoa (ou animal) que já morreu tocando alguma parte de seu cadáver. Mas nem tudo é positivo, ele só consegue sentir alguma coisa sendo outra pessoa e ele não envelhece. Uma HQ com sexo, cientologia, barata, urso, Elvis Presley e muitas outras doideiras que fazem com que eu fique torcendo por uma continuação. Quero mais histórias de Douglas lidando com esse poder tão interessante. Espero que você esteja lendo isso Gabriel Arrais.



MAYE
Publicação independente, em andamento.
Nota: 9 mamutes voadores, que prometem virar 10 em uma escala de 10
História: Fabiomesmo
Arte: Paulo Daniel Santos
Ideal para: todo mundo, tem um MAMUTE VOADOR, caramba! Como você não vai ler isso?
Esse eu não comprei no evento, e estou remoendo esta dor até agora. Mas podemos todos ler a HQ online aqui! Sendo assim, vou ser bem sucinto nesta resenha pra você ir logo ler a HQ. Maye conta a história do Escriba, um garoto responsável por manter o equilíbrio entre o mundo imaginário e o real. E tem o mamute, putis grila, que voa, mano, VAI LER ISSO AGORA que é grátis :D ! Sério, não tem como ser melhor.
PS: a nota 9 é porque a HQ ainda está sendo publicada e não tem como dar um 10 sem saber o final, mas como eu disse, tem tudo pra se confirmar como um 10.

Desenhista do Comandante Key
Criador da Quadrinhosfera
Semana que vem devolvo esta coluna para o Wendrick Ribeiro.

Postagens mais visitadas