Games e quadrinhos #1 - Batman: Arkham Asylum


Fala galera, aqui quem está escrevendo é o Vinicius da fanpage Games Rules e hoje eu e o pessoal da Quadrinhosfera estamos dando início a uma coluna nova aqui no blog. Como todos nós sabemos, pessoas que adoram HQ, normalmente, adoram games também e então pensamos...por que não juntar as duas coisas? Quando recebi o convite para postar no blog, fiquei pensando qual jogo seria bom para começar com o pé direito, e acho que minha escolha não poderia ter sido melhor. Atualmente nenhum jogo de super-herói, entre todos que joguei, é tão bom quanto a Saga Arkham de Batman.


Essa saga, atualmente, já apresenta dois jogos, Batman: Arkham Asylum e Batman: Arkham City, e um terceiro está para sair ainda esse ano e irá se chamar Batman: Arkham Origins. Como os jogos apresentam um enredo muito bem elaborado e inúmeras coisas, as quais são possíveis de se realizar na pele do homem morcego (pretendo comentar sobre todas), decidi escrever sobre cada um dos jogos separadamente e irei começar pelo primeiro a ser lançado: Batman Arkham Asylum!


Ficha técnica

Nome do jogo: Batman: Arkham Asylum

Produtora: RockSteady Studios

Editora: Eidos e Warner Bros. Interactive Entertainment

Escritor: Paul Dini

Plataformas e lançamentos: PlayStation3, Xbox 360 e Windows (2009), OS X(2011)

Gênero: Aventura, Beat’em up e Stealth.

Número de jogadores: Um único jogador


O game:


O enredo do jogo gira em torno de um plano armado pelo arqui-inimigo do homem morcego, o Coringa, em que ele deixa Batman capturá-lo de uma forma um tanto quanto fácil para que ele seja levado diretamente ao Asilo de Arkham. Lá, o palhaço revela seu plano, ele pretendia tomar conta do local e prender Batman lá dentro junto com diversos criminosos que ajudou a prender. O Coringa ameaça explodir diversas bombas que foram espalhadas por Gotham se mais alguém tentar entrar em Arkham e assim obriga nosso herói a trabalhar sozinho, dando início ao game.

Logo que o jogo se inicia, muitas pessoas, assim como eu, pensaram em estar jogando um game baseado nos sucessos cinematográficos de Christopher Nolan, porém em menos de cinco minutos é possível perceber que esse pensamento é “mais ou menos correto”. Não estou dizendo que o jogo é baseado no filme, porque não é, no entanto algumas características que marcaram o personagem nas telonas fazem presença no jogo, um exemplo muito claro, para mim, é a roupa de Batman que se assemelha bastante a uma espécie de armadura, igual nos filmes. O jogo também apresenta um conteúdo mais maduro, com cenas de violência e linguagem um pouco inapropriada para crianças, o que também é uma característica mais vista no cinema do que nas HQs.

O game apresenta uma jogabilidade impecável, totalmente incomparável a qualquer outro jogo que o morcegão já teve. Nesse jogo é possível pular, correr, andar, andar abaixado, planar com capa, subir em lugares altos usando a bat-corda que possui um sistema de mira automático muito fácil de ser controlado entre outras coisas. Batman também possui um arsenal de acessórios, como não poderia deixar de faltar, que fazem a diversão do jogo se estender ainda mais. O jogo em geral não é difícil de ser zerado e também não é muito longo, se você for uma pessoa sem amigos e sem vida social que adora viver dentro do quarto enfurnado no videogame o dia inteiro, é bem capaz que você termine o jogo no mesmo dia que começou. Ele também segue um padrão meio retilíneo, sendo possível, e até às vezes obrigatório, regressar a algumas áreas.

O jogo possui um dos modos de batalha mais divertidos entre todos os jogos que já joguei. A partir do momento em que você começa a bater nos inimigos, Batman se tornar mais veloz e assim começa a desencadear uma sequência de golpes em diversos inimigos de cada vez, é possível direcionar em quem Batman irá desferir o próximo golpe e se a sequência de combo estiver relativamente alta, não importa a distância em que o inimigo se encontra Batman consegue alcançá-lo. No entanto, não se trata apenas de ficar esmurrando o botão de soco até que todos morram, muito pelo contrário, o jogo irá trabalhar bastante com sua coordenação. Em alguns momentos da luta, uma espécie de sinal sairá da cabeça dos inimigos (se assemelha bastante com o sentido aranha do Homem Aranha), isso indica que ele está prestes a atacá-lo, nessas horas será necessário que se aperte o botão de contra-golpe, se não fizer, você receberá o golpe e perderá o combo. Alguns inimigos precisam ser atordoados antes de apanharem, outros só podem apanhar pelas costas, e é dessa forma que sua coordenação de saber agir com o movimento certo na hora certa fará toda a diferença em uma batalha. A recompensa por vencer as lutas são pontos de XP que você pode usar para aumentar os atributos de vida, força e as qualidades dos acessórios do morcego. 

Porém eu vanglorio esse jogo por ser, na minha opinião, o único que realmente conseguiu adaptar a verdadeira característica do herói para os games, a de ser o maior detetive do mundo. Nesse jogo existem diversas áreas em que você precisa agir como uma verdadeira sombra e cruzar salas sem ser vistos pelos criminosos soltos pelo Coringa, principalmente os armados. Capangas armados são extremamente perigosos, um tiro nesse jogo representa quase que um tiro na vida real, eles tiram muita vida, basta levar uns dois que é morte na certa. Nessas áreas Batman precisa evitar ser visto e nocautear os inimigos silenciosamente um por um. Batman pode usar vários recursos para se esconder, e em áreas em que agir dessa forma é necessário, existem tubos de ventilações, estátuas de gárgulas nas áreas mais altas, entre outras coisas que podem ajudá-lo. A cada inimigo que você vai derrotando silenciosamente aumenta o desespero dos outros em saber sua localização e essas partes me lembravam muito as cenas dos filmes onde um capanga desesperado atira para todos os lados e grita: “Onde você está Batman?” – E o homem morcego aparecia trás dele e dizia: ”Aqui!”- e acabava com o cara.

Outra coisa que marca bastante a qualidade investigativa do cavaleiro das trevas é a existência de uma visão chamada de “modo detetive”, o qual dá a Batman uma enorme vantagem contra os inimigos. Ela funciona como um raio-x mostrando a localização dos criminosos na área (até mesmo através das paredes) e também indica a quantidade e quantos estão armados. Além disso, em algumas partes do jogo, Batman precisa encontrar alguns funcionários do Asilo que foram feitos de reféns  e com esse mesmo modo torna-se possível analisar algumas pistas como manchas de sangue, pegadas entre outros que indicarão rastros a serem seguidos.

Os efeitos sonoros do jogo também são muito legais, as músicas são aquelas bem características das séries animadas e filmes - não há nada para por defeito. Os cenários também são muito bem trabalhados e realmente transparecem a idéia de estar te colocando no meio de um hospital de loucos. O jogo também da um detalhe especial no figurino dos personagens, principalmente no de Batman, que quanto mais você avança no jogo, mais sua roupa fica degastada e cheia de cortes devido a batalha com os inimigos. O jogo também possui um side-quest que envolve o vilão Charada e uma infinidade de desafios. Finalizando, o jogo é BOM DEMAIS!!! Não é atoa que ganhou diversos prêmios como melhor jogo do ano e quebrou até recordes no Guinnes Book. Podem confiar, é diversão garantida!!! Na minha opinião, é um jogo nota 10, porém vou apenas dar uma nota 9. Não acho justo dar a esse jogo a mesma nota que dou para a sequência dele, Batman: Arkham City! É galera, a continuação desse incrível game é ainda melhor, porém isso é assunto para outra semana. Um grande abraço a todos e curtam nossas páginas no facebook!!!






Postagens mais visitadas