As Leituras do Pedro - O Hobbit, em Quadrinhos

Olá caro leitor! Mais uma vez a Quadrinhosfera tem a honra de trazer-lhe à leitura um belo artigo do crítico de quadrinhos português, Pedro Cleto. Desta vez a pauta é a quadrinização de O Hobbit de Tolken.
Boa leitura! 

O Hobbit

  
Baseado na obra homónima de J. R. R. Tolkien
Charles Dixon e Sean Deming (argumento)
David Wenzel (desenho)
Devir (Portugal, Agosto de 2012)
195 x 285 mm, 140 p., cor, cartonado
24,99 €
A propósito da recente reedição por parte da Devir da adaptação em banda desenhada de “O Hobbit”, recordo o texto que escrevi no Jornal de Notícias, a propósito da primeira edição portuguesa desta obra, em 2002, intitulado “Adaptações(1)”. 
Uma adaptação, para ser conseguida, tem, a meu ver, que cumprir dois requisitos: ser fiel ao original e funcionar de forma autónoma, consistente e credível na nova forma narrativa à qual foi adaptada. Isto porque cada género narrativo – literatura, banda desenhada, cinema de animação, cinema – tem características e regras próprias que importa seguir.
Na maior parte dos casos, as adaptações originam obras inferiores às originais, podendo surgir excepções quando a adaptação, mais do que seguir ao detalhe o seu modelo, se mantém fiel ao seu espírito, mas recria-o totalmente de acordo com as características inerentes à nova forma narrativa adoptada. Foi isto que foi ignorado durante muitos anos, nas transposições da literatura para a banda desenhada (as mais comuns), resultando daí romances (mal) ilustrados, nalguns casos com a transposição integral do texto original sob as ilustrações, numa prática que demonstra claramente ignorância acerca da forma narrativa escolhida.
Toda esta introdução vem a propósito do recente lançamento de “Bilbo, o Hobbit” (Devir) que se baseia na obra homónima de J. R. R. Tolkien, que serve de prelúdio à trilogia “O senhor dos anéis”.
Contando mais de 60 anos, mantém uma frescura invejável, graças à coerência e à riqueza do mundo imaginado por Tolkien, e conta como o pequeno Bilbo é convencido pelo feiticeiro Gandalf a acompanhar um bando de anões na busca de um mítico tesouro, o que o levará a ter de enfrentar um terrível dragão. E mais do que um tesouro, o hobbit que protagoniza a história acaba por se descobrir a si mesmo, após uma busca iniciática em que descobre facetas e capacidades que ignorava possuir.
A adaptação, assinada por Charles Dixon, atinge bons momentos quando se consegue libertar do texto original e funcionar como uma verdadeira banda desenhada. Quando isso não acontece, se a trama ganha em densidade, perde em ritmo narrativo e afasta-se das características próprias de uma BD (HQ no Brasil).
Os desenhos, num estilo realista que combina técnicas clássicas de desenho e aguarela, são de David Wenzel e devem ter servido de referência a Peter Jackson para a recente adaptação cinematográfica de “O senhor dos anéis”, dada a semelhança entre os personagens comuns às duas obras.
(Texto publicado originalmente no Jornal de Notícias de 12 de Junho de 2002)

*Artigo da autoria de Pedro Cleto, renomado crítico de quadrinhos publicado em seu blog: http://asleiturasdopedro.blogspot.com.br

Postagens mais visitadas